DEZ PRA SEIS DA MANHÃ, VIVER NA CARENCIA NÃO VIRA - Devinho Novaes